SE FORAM PRA OUTRO PAGO

(MILONGA)

Sapecada da Canção Nativa

Se foram pra outro pago
Levando um pouco de tudo
Um silêncio quase mudo
E uma alegria engasgada.
Pilcha, arreio, uma prateada
Uma tambeira, e os bragados
O cusco foi no costado
Mosqueando a franja do pala...
E uma esperança na mala
Dividida nos dois lados...

Os bragados formam mansos
Mapamundi, Genuíno
Tenente, Onça e Teatino
Cavalos de vida inteira.
Quando cruzaram a porteira
Tentou voltar o Tenente
Mas o cusco fez a frente
E encordoaram com a vaca
Que o destino às vez ataca
Rio com fama de corrente...

Se foram pra outro pago
Todos juntos, forasteiros
Os bragados, de primeiro
Batendo um trote parelho
E a soitera do relho
Que balenceava en despunto
Era o vento e "seus assunto"
Com o pala em rebeldia
Enquanto a estrada engolia
O que nasceu pra andar junto.

Mira o longe, quadra o corpo
Sobre o basto se balança
Vai um lote de lembrança
Pra povoar outro lugar...
O que custou pra tranquear
Puxa de tiro a consciência
E a mansarrona experiência
Que amanunciou ao partir
É mais que sina de ir...
-Fundamental pra existência-

Se foram pra outro pago
Como se fossem embora
Na verdade hace hora
Que já se haviam partido.
Tudo que teve um sentido
Já andava escrito nos pastos.
Não se tem caminhos gastos
Quando se quer vida nova
Se bandeia, se renova
Porque o que é chão, deixa rasto!

AUTOR(ES) DA LETRA:

PAULO HENRIQUE TEIXEIRA DE SOUZA
Lavras do Sul, RS
EVAIR SUAREZ GOMEZ
Santana do Livramento, RS

AUTOR(ES) DA MÚSICA:

JULIANO MARCIO GOMES AVILA
Santana do Livramento, RS

FICHA DE PALCO


Daniel Zanotelli - Flauta baixo

Pedro Kaltbach - Violino

Juliano Gomes - Baixo

Marcelo Oliveira - Intérprete

Quinto Oliveira - Guitarron

André Teixeira - Violão