De Lacinho Atado

(milonga)

Sapecada da Serra Catarinensa

DE LACINHO ATADO

 

Ao contemplar a janela silhueta do pastiçal

Traços de um homem rural, no qual penso que o vejo

Em mim habita o desejo e um coração sentinela

Do retorno para aquela que lhe espera com um beijo

 

A tropa foi “hace tiempo”, a muitas luas afora

E o vazio desta demora, murchou flores na ramada

Mais aqui espera a amada, de regalo um mate quente

Cultivando um presente, encomendado as estrelas

Chegando com ponteçuelas, trazidas pelas cadentes

 

POR VEZES EM MEIO A CHUVA SINTO O FRESCOR AROMADO

A AUSENCIA DO TEU COSTADO CONSOME MINHA AFLIÇÃO

TUA FALTA AQUI NO RINCÃO, NOS GRITOS COM A POTRADA

MAIS AGORA A SUA AMADA, PRECISA DE SEU PATRÃO

PRA ATENDER DOS REDOMÃO E DA FLOR QUE CHEGA NAS CASA

 

A bragada já deu cria nos “9” encomendei outro

Pra o costeio de um potro, pra encilha de sua filha

Agora aumenta a família, perdoa não ser varão

Mais igual em suas mãos vai seguir o seu legado

Pois vem de lacinho atado pra florir nosso rincão

AUTOR(ES) DA LETRA:

Daniel Mateus da Silva
Lages, SC

AUTOR(ES) DA MÚSICA:

Gabriel Maculan
Lages, SC
Daniel Mateus da Silva
Lages, SC