Primeiro Canto - A Tocaia

(Milonga)

Sapecada da Canção Nativa

PRIMEIRO CANTO - A TOCAIA

 

Tocaiarô Chico Sôsa
onte a noite - madrugada -
depois da venda fechada
cadeado, tranca... Essas côsa!
Veio sem família - esposa -
faria um ano em seguida
e montô casa sortida
a tecido, canha e sal
junto da estrada real
recém mesmo construída.

Adquiriu, sem demora,
pela forma como agia
confiança e simpatia
de todo mundo aqui fora!
De início não tinha hora,
nem dia sempre disposto.
De'atrás do balcão - seu posto -
atendia e despachava...
Rôco estranho na palavra,
sorriso amigo no rosto!

Depois, sem pedir segredo,
veio o tempo... Foi correndo
e ele se recolhendo
cada vez mais e mais cedo;
parecia andar com medo,
sonhando com sepultura!
Fato é que d'uma altura
pra frente nem por decreto
tirava o quarenta e quatro
marca taurus da cintura!

Sobra de azar, poca sorte,
coincidência, essas cosa...
para mim que o Chico Sôsa
sentia o cheiro da morte;
não sei se no vento forte,
não sei se na chuva mansa...
Sei que meia vizinhança,
quando sôbe do entrevero,
pôde sentir o cheiro
amargo e vil de vingança.

- Reparem as pratelera!
Diziam: - Ninguém é bobo,
o que hôve não foi rôbo...
Ó a caxa registradera!
Quem nasce nessa frontera
entende que o Uruguai
é chamarisco que atrai
toda espéce de sujeito;
depois do serviço feito
peito n'água e nunca mais.

Gente'escrava de bebida,
gente que joga baralho,
gente capaz de trabalhos
que a gente mesmo duvida
e que por conta da vida,
suas voltas, seus absurdos,
com tanto lugar no mundo
pra se viver, pra se'estar
acabam por se cruzar,
justamente, nesses fundo!

Assim que deu Mario Osório
encilhô rumo à cidade
relatar à autoridade
sobre caso tão notório.
Que fossem ao São Gregório,
mas que fossem em seguida!
- É numa casa sortida
a tecido, canha e sal
junto da estrada real
não faz muito construída.

De'atrás do balcão - seu posto -
pras lides do dia inteiro,
tá o corpo do bolicheiro
descansando, contragosto.
Talho graúdo no rosto,
no peito é a mesma côsa.
- Há de surgir muita prosa,
mas de certo, quaje nada...
Só que na noite passada
tocaiarô Chico Sôsa.

AUTOR(ES) DA LETRA:

Rafael Machado
São Luiz Gonzaga, RS

AUTOR(ES) DA MÚSICA:

Rafael Puerta
Urubici, SC
Arthur Boscato
Florianópolis, SC

FICHA DE PALCO


Felipe Silveira - Voz

Riccieri Luis - Violoncelo

Rafael Machado - Recitado

Arthur Boscato - Voz

Israel Dutra - Violino

Ricardo Comasseto - Gaita

Rafael Puerta - Voz

Neuro Junior - Violão