CABOCLO DE FATO

(QUERUMANA)

Sapecada da Canção Nativa

CABOCLO DE FATO
Sou caipira e com muito orgulho eu falo das coisas lá do meu sertão
Sou matuto caboclo de fato nasci lá no mato sou de tradição
Meu sotaque meu palavreado não foi estudado na língua estrangeira
Mas eu tenho a minha cultura que vem das raízes da essência pura
Do meu chão sagrado terra brasileira
Com meu aprendi bem cedinho enfrentar os espinhos de uma vida dura
Fui roceiro plantando café sem perde a fé na agricultura
Par um caboclo ter felicidade não é a vaidade que ele anseia
É o bastante que Deus lhe ajude que tenha na vida uma boa saúde
A mesa bem farta e a barriga cheia
Com saudade hoje me recordo da vida gostosa que eu lá vivi
O riacho onde eu me banhava e a tarde eu ia pescar lambari
A porteira e o velho mourão ficaram no chão da minha saudade
A boiada e o carro de boi pra mim representa um bom tempo que foi
Onde eu passei a feliz mocidade
Hoje vivo aqui na cidade, mas sinto saudade a todo o momento
Meu passado está dentro de mim um filme gravado no meu pensamento
Vez em quando eu pego a viola ela me consola alivia meu peito
Um caboclo longe do sertão não tem alegria no seu coração
Só vive magoado e insatisfeito
Se eu pudesse voltar ao passado e ter ao meu lado meus queridos pais
Nosso sitio e a velha casinha na lembrança minha a saudade é demais
Vou levando a vida desse jeito lembrando de tudo meu peito suspira
Pra acalmar meu coração magoado espanto a tristeza ouvindo o ponteado
Do som sertanejo da viola caipira

AUTOR(ES) DA LETRA:

ADAIR JOÃO PALOMBO
Mandirituba, PR

AUTOR(ES) DA MÚSICA:

FRANCISCO FERNANDES DOS SANTOS
Pinhais, PR

FICHA DE PALCO


FRANCISCO FERNANDES DOS SANTOS - VOZ E VIOLÃO

FABIO HENRIQUE DOS SANTOS - PERCUSSÃO ( CAJON )

ADAIR JOÃO PALOMBO - VOZ E VIOLA CAIPIRA