PRA SEMPRE, CHINOQUINHA!

(CHAMAME)

Sapecada da Canção Nativa

Pra sempre, Chinoquinha!

 

Outro dia eu revirava alguns tecidos guardados

quando uma estampa marejou os meus olhos empoeirados

era o vestido de chita que em sillueta esvuaçava

Chinoquinha dos meus sonhos, das noites enluaradas!

 

Te lembras da flor do campo que enfeitava a cabeçada

de um mouro escarceador regressando da tropeada

pois esta flor que te trouxe enfeitou nosso ranchinho

e seguiu brotando sonhos emponchados de carinho!

 

Revivi tudo que eu tinha naquela estrada da vida

e em cada dois ou três dias em outra estrada comprida

pensava nas rédeas curtas outras vezes estendidas

nos acordes de casco e pedra tu compunhas a minha vida!

 

Tantas luas já passaram em nosso destino firmado

nos meus sonhos mais bonitos, o mesmo rosto guardado

há tempos o teu sorriso não me deixa andar sozinho

pois  tu via a flor no campo onde só via o espinho!

 

Pra quem tem lua nos olhos e uma ânsia de chegada

a certeza do retorno faz bem mais curta a estrada

hoje a tropa adormecida traz recuerdos por verdade

meus aperos saõ lembranças e o mouro virou saudade!

 

Foi assim, quis o destino, as duas almas unidas

hoje verso e melodia não deixam rimas perdidas

a saudade fez morada numa tapera esquecida

e eu cevarei o teu mate, todos dias da minha vida!

AUTOR(ES) DA LETRA:

HELVIO LUIS LEMOS GOMES CASALINHO
Pelotas, RS
JARI TERRES
Pelotas, RS

AUTOR(ES) DA MÚSICA:

JARI TERRES
Pelotas, RS

FICHA DE PALCO


Jari Terres - Interprete

Rodrigo Maia - contrabaixo

Gabriel Jardim - Voz e violão

Joaquim Velho - Gaita botoneira

Gean Carlo Godoy - Violão solo