Mas Vou Cantar Opinando

(Milonga)

Sapecada da Serra Catarinensa

vMAS VOU CANTAR OPINANDO

 

Vim cantar sim, meus senhores

Mas vim cantar opinando

Porque a palavra dos anos

Por certo deu-me argumentos

Por muito andei nos silêncios

Dos meus escritos sozinhos

Onde provei dos espinhos

E esqueci sim, das flores

Que emprestam aromas e cores

Para o mais gris dos caminhos.

 

Vim cantar dos dialetos

Dos rincões por onde andei

Vim cantar porque hoje sei

O que a idade me permite

Eu que sempre cantei triste

O meu destino, senhor

Como disse em seu valor

Um "Guarani" sem ter luxo

Que assim, canta um Gaúcho

"Por isso eu nasci cantor".

 

 

Cantor dos potros, das tropas

Sincerros e arrelhadores

Da poeira dos corredores

De um tempo bem mais antigo

Da bota, gasta do estrivo

Do sol de algum campo a fora

Do galpão chamando as horas

Da madrugada primeira

Dum chão bruto de mangueira

Onde resmungam esporas.

 

Cantor do campo dos fundos

Também  do campo do meio

Dum parador de rodeio

Do touro e a vaca de cria

Cantor, que compõe seus dias

Entre os sonhos e as palavras

Que ouve bordões de guitarras

Entre as linhas do alambrado

E escreve de algum passado

No livro santo das garras.

 

Cantor que canta seu mundo

Das ilusões e suas crenças

Do igual e a diferença

Entre o medo e a realidade

Entre os que são de verdade

Ou são apenas humanos

Entre os que seguem julgando

O que é errado ou direito

Eu cantarei com respeito

Mas vou cantar, opinando...

AUTOR(ES) DA LETRA:

Adriano Silva Alves
Lages, SC

AUTOR(ES) DA MÚSICA:

Vitor Amorim
Lages, SC