COXILHA DO SARANDI

(MILONGA)

Sapecada da Canção Nativa

COXILHA DO SARANDI

 

Onde a semente do saber floresce humilde
E o sarandi corre ternura de arrojito  
Chegam sorrindo com pureza de esperança
pouca criança pra dar vida ao colegito

Redomoneia Hervalino
este é teu jeito e te agrada
redomoneia Hervalino
este é teu jeito e me agrada
que sobre tropilha mansa Hervalino
e a tropa volte pra estrada

Tinha um baio, dois tordilho,
um petiço doradilho, vaca mansa e três leitão, bom salário mantenido, rancho bueno bem sortido, férias pagas no verão
e foi se embora chorando Hervalino
dois talhos no coração

E foi se embora chorando Hervalino,
não pôde ficar aqui
fecharam o coleginho mais perto Coxilha do Sarandi
e foi se embora chorando Hervalino
não pôde ficar aqui
Chorou por dentro da alma Hervalino
com olhos do Sarandi

 (Pois então professora, bamo ter que ir se embora... não é que fecharam o coleginho... eu sou indio aqui do Sarandi...  Eu mesmo estudei ai e o meu pai me trazia numa égua tordia e eu depois fui ficando mas taludo e tuve um petiço  

Aí vinha solito faceiro...

 Mas agora vão fecha o colégio e aí vo me embora com a minha véia, se vamo, não queria! Semo gente de campo né dona?
Mas se a diretora diz que vão te que fechar,  vamo se embora levar esses guri pra ver se viram gente né? Se viram doutor.

AUTOR(ES) DA LETRA:

LISANDRO AMARAL
Bagé, RS

AUTOR(ES) DA MÚSICA:

LISANDRO AMARAL
Bagé, RS